Quais os principais problemas com importação e como resolvê-los?

7 minutos para ler

O processo de importação é complexo e exige que os envolvidos tenham pleno domínio acerca das demandas e das particularidades da operação. Durante a transação, qualquer falha ou equívoco pode gerar prejuízos consideráveis e, em última escala, comprometer a viabilidade da empresa. É preciso se antecipar aos desvios e preveni-los com efetividade.

Neste post, você conhecerá os principais problemas com importação. A ideia central é que possa compará-los à realidade do seu negócio e, assim, identificar eventuais vulnerabilidades, aprimorando antes que seja necessário contabilizar perdas.

Além disso, você entenderá a importância de contar com um parceiro experiente, comprometido com a solidez dos retornos, de forma a ajustar e alavancar os resultados da importação na sua empresa. Boa leitura e bons insights!

A importância de contar com um bom profissional de importação

O comércio exterior é repleto de desafios. Ao mesmo tempo em que as oportunidades são atrativas e podem gerar lucros excelentes, não é raro encontrar empresas que, ao negligenciarem a rigidez do processo de importação, precisaram abandonar a iniciativa com as contas negativas.

A eficiência das transações internacionais depende de fatores muito particulares. É preciso, por exemplo, selecionar um nicho promissor e entender as variáveis da demanda no mercado. Em seguida, é essencial configurar um planejamento e elaborar uma tática de ação.

Depois, cabe a tarefa de reunir os recursos e dar conta da extensa burocracia envolvida. Tudo isso, porém, exige know how, segurança a transparência — e o ideal é que você possa contar com que tem experiência no assunto para evitar problemas com importação.

É justamente em razão da complexidade do processo, que exige atenção a pontos específicos e está sujeito a uma série de situações imprevistas, que o acionamento de parceiros competentes desponta como a melhor saída para viabilizar a operação com tranquilidade.

Um consultor especializado, capaz de compreender a dinâmica do processo e de auxiliar em todas as etapas da importação, está apto a identificar eventuais desvios, corrigir procedimentos e liderar iniciativas que tornem o projeto mais enxuto, eficaz e lucrativo.

Ao contar com um parceiro experiente, você e sua empresa ganham confiança e assertividade para desbravar as oportunidades do comércio internacional. Sem dúvida, com isso, maximizar a rentabilidade das transações.

Os principais problemas com importação e como resolvê-los

Aqueles que já se aventuraram na importação — se deparando com a rigidez do sistema e a burocracia operacional em todas as fases do processo — sabem que é preciso dominar as exigências e ser proativo em atendê-las.

É conveniente, portanto, estar a par dos principais problemas enfrentados na nacionalização de mercadorias e se preparar para preveni-los de modo eficiente. Seus negócios e seus lucros agradecem.

Burocracia intensa

As transações internacionais são marcadas por uma característica pouco convidativa aos empreendedores: a burocracia. Marcelo Pibernat, diretor da Pibernat Logística, reforça que “nos trâmites de importação, o volume de documentos, aprovações e controles exigidos pelo governo é considerável, o que implica em sérias demandas de entrega e de acompanhamento”.

É preciso, por exemplo, manter registros de movimentação (de preferência, automatizados), tirar e atualizar habilitações específicas, remeter arquivos de controle (como a DI, a Declaração de Importação) e atender prontamente às exigências particulares, a depender da mercadoria importada.

Lidar com tudo isso, é claro, pressupõe conhecimento, segurança e efetividade. Afinal, como pontua Marcelo, “demoras burocráticas geram custos excessivos de armazenagem, estadias e demurragens”. Na importação, o amadorismo é geralmente penalizado com insucessos e prejuízos.

Alta carga tributária

No Brasil, a incidência de impostos não é novidade para os empreendedores do comércio internacional. A importação não foge à regra: são inúmeros os tributos devidos para regularizar todo o trâmite de nacionalização de itens.

Ainda que haja, sem dúvida, uma extensa gama de obrigações tributárias, gestores mais experientes são capazes de otimizar o pagamento sem desobedecer às leis. Um bom planejamento tributário, embasado em análises consistentes, serve justamente a esse propósito — e deve ser feito e/ou supervisionado por quem entende do assunto.

Para isso, não deixe de contar com uma assessoria especializada, com afinidade em assuntos tributários na atividade de importação. Evite erro e otimize seus gastos com segurança.

Infraestrutura deficitária

Para Marcelo, a “insuficiência e a ineficiência de portos e aeroportos brasileiros, por si só, já prejudicam a operação logística envolvida no trâmite de importação”. A afirmação não poderia ser mais pertinente à realidade: de acordo com um levantamento da CNI (Confederação Nacional da Indústria), em parceria com a FGV (Faculdade Getúlio Vargas) a infraestrutura dos modais é a queixa principal de empreendedores envolvidos em comércio internacional.

Mesmo que a correção definitiva do problema não esteja nas mãos dos gestores, é possível encontrar soluções alternativas para cada caso de importação. Com o propósito de viabilizar o escoamento da mercadoria, é interessante contar com o conhecimento de operadores familiarizados com o desafio de infraestrutura.

Mais uma vez, Marcelo ratifica que “operações demoradas nos recintos aduaneiros também implicam em custos adicionais, o que, sem dúvida, não é interessante ao operador”.

Custos exponenciais

Os gestores que se dedicam à importação devem se manter atentos à escalada de custos. Como o volume de exigências é alto e constante, não é raro encontrar casos em que as empresas acabam se deparando com despesas exorbitantes.

Para manter o orçamento em ordem, um planejamento apurado é fundamental. Além disso, ao longo de todo o trâmite, é necessário controlar o fluxo de caixa, buscar uma taxa de câmbio competitiva e observar eventuais pendências que possam incorrer em gastos extras.

Caso haja descontrole financeiro, o primeiro prejudicado é o lucro do negócio. Obviamente, esse cenário não é nada interessante para o empreendedor que busca resultados positivos e perenes.

Equívocos fiscais

As demandas fiscais são um ponto crítico nos trâmites de importação. Conhecer como cada produto é classificado e taxado ao entrar no Brasil, enquadrando a mercadoria nas normas governamentais, é essencial para assegurar a conformidade dos procedimentos de nacionalização.

Caso a empresa informa uma NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) equivocada, por exemplo, o prejuízo pode ser vultuoso: o produto sofre desclassificação fiscal e os envolvidos arcam com multa de, no mínimo, 1% do valor aduaneiro.

De forma a garantir a lisura da operação, os importadores devem recorrer a parceiros que dominem as especificações da classificação fiscal, reunindo documentos técnicos e acessando todas as informações do produto.

Por mais que os problemas com importação pareçam intransponíveis, de fato é possível desbravá-los com eficiência e altos lucros. Para isso, não deixe de aproveitar as oportunidades: procure um parceiro comprometido com o seu sucesso e explore o potencial de um mercado em ascensão.

A essa altura, você certamente já está ciente da complexidade da importação e, claro, da necessidade de contar com parceiros capazes de ajudar você a desbravar o cenário inóspito do comércio internacional. Nós temos o know how de que o seu negócio precisa! Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar você a maximizar resultados e lucros.

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

-